Espontaneidade e autonomia na Fundamentação da Metafísica dos Costumes

Gerson Louzado

Resumo


A terceira seção da Fundamentação da metafísica dos costumes tem seus argumentos expostos, não raro, de forma extremamente condensada, reclamando, ademais, um apelo sistemático não apenas às teses expostas em seções anteriores da própria Fundamentação, mas também a teses centrais à filosofia transcendental expostas na Crítica da razão pura, teses essas que são retomadas, no mais das vezes, de modo excessivamente simplificado. Em vista disso, pouco ou nenhum acordo tem sido logrado acerca do que se pretende provar na terceira seção, acerca da estrutura de seus argumentos (acerca, portanto, do modo como se prova) e, por isso mesmo, acerca do sucesso ou insucesso na consecução de seus objetivos. No presente trabalho, não se buscará solucionar um a um os problemas que se enfrenta na interpretação da terceira seção, problemas que, estando sujeitos a uma pletora de respostas diferentes, aguardam ainda um tratamento capaz de lograr algum acordo. Buscar-se-á, ao contrário, examinar tão-somente uma dificuldade, a qual condiciona a compreensão das demais: a suposta confusão entre espontaneidade e autonomia da vontade, confusão essa que seria cometida por Kant no início mesmo da terceira seção.


Palavras-chave


moral, vontade, espontaneidade, autonomia, normatividade

Texto completo:

PDF

Referências


ALLISON, H. E. Kant’s Theory of Freedom. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

ALLISON, H. E. Idealism and Freedom. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

ALLISON, H. E. Kant’s Groundwork for the Metaphysics of Morals. Oxford: Oxford University Press, 2012.

ALMEIDA, G. A. “Liberdade e moralidade segundo Kant”. In: Analytica, vol. 2, 1997.

ALMEIDA, G. A. “Kant e o ‘facto da razão’: ‘cognitivismo’ ou ‘decisionismo’ moral?”. In: Studia Kantiana, vol. 01, nº 01, 1998.

BITTNER, R. “Máximas”. In: Studia Kantiana, vol. 05, nº 01, 2003.

ESPÍRITO SANTO, M. “O círculo na Fundamentação da metafísica dos costumes”. In: Studia Kantiana, vol. 16, nº 3, 2018.

HENRICH, D. “The Deduction of the Moral Law: The Reasons for the Obscurity of the Final Section of Kant’s Groundwork of the Metaphysics of Morals”. In: GUYER, P. (ed). Kant’s Groundwork of the Metaphysics of Morals: Critical Essays. Lanham: Rowman & Littlefield, 1998.

KANT, I. Gesammelte Schriften: herausgegeben von der Deutschen Akademie der Wissenschaften. 29 vols. Berlin: Walter de Gruyter, 1900-

KANT, I. Fundamentação da metafísica dos costumes. Tradução: Guido Antônio de Almeida, São Paulo: Discurso Editorial/Barcarolla, 2009.

KANT, I. Crítica da razão prática. Tradução: Valério Rohden, São Paulo: Martins Fontes, 2002.

KANT, I. “Religion within the Boundaries of Mere Reason”. Tradução: George di Giovanni, in: WOOD, A. & DI GIOVANNI, G. Religion and Rational Theology. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

KANT, I. Crítica da razão pura. Tradução: Manuela Pinto dos Santos e Alexandre Fradique Morujão, Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2001.

LOUZADO, G. (ed.). Ensaios sobre Kant. Porto Alegre: Linus, 2012,

PATON, H. J. The Categorical Imperative. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1971.

ROCHA, E.; LEVY, L. (orgs.) Estudos de Filosofia Moderna. Porto Alegre: Linus, 2011.

WOLFF, R. P. The Autonomy of Reason. New York: Harper & Row, 1973.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.