Prudence, Happiness and Wisdom in Kant’s Moral Philosophy: the case in the Groundwork

André Klaudat

Resumo


A felicidade, para Kant, é um “ideal” da imaginação, não é um objeto da razão. É, ao invés, a satisfação de um “todo absoluto” das nossas inclinações de acordo com os planos de felicidade que desenvolvemos. Nessa medida, ela está vinculada à nossa natureza empírica como seres com sensibilidade. Mesmo que confinada desse modo, ela é um “fim necessário” por que pode ser atribuída universalmente a nós “de acordo com uma necessidade natural”. A prudência em Kant está voltada para esse fim de todos nós. Portanto, ela parece ocupar uma posição intermediária na tipificação das racionalidades práticas: não é simplesmente instrumental, nem, de fato, moral. Neste texto, examino o “lugar sistemático” da felicidade em relação à moralidade como fruto da razão pura prática em face dessas posições. Eu argumento que a moralidade qualifica o desenvolvimento dos nossos planos para a felicidade através da noção de valor que é a dignidade, e também examino como isso repercute nas nossas concepções e buscas privadas pela felicidade através da exigência de uma sabedoria moralmente orientada que é ao mesmo tempo reforçada pela teoria moral. Eu analiso o argumento de Kant para tal posição oferecido principalmente na Fundamentação.


Palavras-chave


prudência, felicidade, sabedoria, moralidade, Fundamentação

Texto completo:

PDF (English)

Referências


Engstrom, Stephen: The Form of Practical Knowledge, A Study of the Categorical Imperative, London, Harvard U.P., 2009.

Herman, Barbara: “Rethinking Kant’s Hedonism” in: --- : Moral Literacy, London, Harvard U.P. 2008; pp.176-202.

Herman, Barbara: “What Happens to the Consequences?” in: --- : The Practice of Moral Judgement, London, Havard U.P.; pp.94-112.

Herman, Barbara: “Transforming Incentives, Feelings and the Making of the Kantian Moral Agent” in: Åsa Carlson, ed.: Philosophical Aspects of the Emotions, Stockholm, Thales, 2005; pp.17-44.

Hills, Alison: “Happiness in the Groundwork” in: Timmermann, Jens (ed.): Kant’s Groundwork of the Metaphysics of Morals, A Critical Guide, Cambridge, Cambridge U.P., 2009; pp.29-44.

Hume, David: An Enquiry concerning the Principles of Morals (Oxford Philosophical Texts, ed. By Tom Beuachamp), Oxford, Oxford U.P., 1998.

Kant, Immanuel: Groundwork for the Metaphysics of Morals (Oxford Philosophical Texts, ed. Thomas Hill Jr. & Arnulf Zweig, trans. Arnulf Zweig), Oxford, Oxford U.P., 2002; volume 4 of the Academy Edition.

Kant, Immanuel: Critique of Practical Reason, (Practical Philosophy, trans. & ed. Mary J. Gregor), Cambridge, Cambridge U.P., 1996; volume 5 of the Academy Edition.

Kant. Immanuel: The Metaphysics of Morals, (Practical Philosophy, trans. & ed. Mary J. Gregor), Cambridge, Cambridge U.P., 1996; volume 6 of the Academy Edition.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.