Das leis naturais ao entusiasmo pela República

Francisco Verardi Bocca

Resumo


Resumo: Este artigo considera que no conjunto das obras em que Kant construiu seu ponto de vista sobre a filosofia da história, apesar de sua forma fragmentária, pode-se apontar o equivalente ao que seria sua quarta crítica dedicada à investigação de um a priori histórico. Vemos nesta construção uma sequência de concepções teóricas conduzidas por um deslocamento de foco, inicialmente posto em um Deus criador de leis mecânicas naturais, em seguida nas intenções da natureza que oferece um plano civilizatório aos homens e, finalmente no próprio homem e sua sensificação em relação ao seu imperativo histórico racional. Deslocamento que redefiniu a inexorabilidade inicial em relação à finalidade e ao destino da humanidade, contingenciada nos textos tardios. Trata-se do ápice em que o homem, autoprodutor de sua história, a partir de si e em consideração de si mesmo promove seu aprimoramento e faz uso da natureza servindo assim a si mesmo enquanto fim.

Abstract: This article assumes that in all the works in which Kant built his view of the philosophy of history, despite its fragmentary form, it can be pointed out the equivalent of what would be his fourth criticism to the research of a historical a priori. We see in this construction a series of theoretical concepts driven by a focus dislocation, initially put in a God creator of natural mechanical laws, then in the intentions of nature that offers a civilizing plan to men and finally the man himself and his sensification over his imperative rational history. Such dislocation redefined the initial inexorability regarding the purpose and destination of mankind, contingent in the later texts. This is the culmination in which the man, self-producer of his history, from himself and in consideration of himself promotes his improvement and makes use of nature, thus serving himself as purpose.


Palavras-chave


Kant; História; Progresso; Finalidade; Entusiasmo

Texto completo:

PDF

Referências


KANT, I. (1755) Histoire généralede la natureet de la théoriedu ciel. Paris: Librairie Philosophique J.Vrin,1984.

_____ (1771) Resenha do escrito de Moscati: da diferença corpórea essencial entre a estrutura dos animais e a dos homens In: Kant e‐Prints.Campinas, Série 2, v. 7, n. 2, p. 04‐06, jul.‐dez., 2012.

_____ (1781) Crítica da razão pura. S. P.: Ed. Abril Cultural, 1983.

_____ (1784) Idéia de uma história universal de um ponto de vista

Cosmopolita. S.P.: Brasiliense, 1986.

_____ (1784) Resposta à pergunta: que é esclarecimento? S. P.: Ed. Vozes, 2005.

_____ (1785) Apreciação da obra de Herder: Idéias em vista de uma filosofia da história da humanidade. In: “Kant e a primeira recensão a Herder”, de Joel T. Klein. Revista Studia Kantiana, 13 (2012): p. 121-147.

_____ (1786) Começo conjectural da história humana. S. P.: Ed. Unesp, 2009.

_____ (1788) Sobre o uso de princípios teleológicos em filosofia. In: Revista Transformação, v. 36, n.1, 2013.

_____ (1793) A religião nos limites da simples razão. Lisboa: Ed. Lusosofia,2008.

_____ (1795) A paz perpétua. Lisboa: Ed. Lusosofia Press, 2008.

_____ (1797) Doutrina do direito. S.P.: Ed. Ícone, 2005.

_____ (1797b) Antropologia de um ponto de vista pragmático. S. P.: Ed. Iluminuras, 2009.

_____ (1798) O conflito das faculdades. Lisboa: Ed. Lusosofia Press, 2008.

LOPARIC, Z. A semântica transcendental de Kant. Campinas: CLE-UNICAMP, 2005.

LUCRÉCIO. Da natureza. S. P. : Ed. Abril Cultural, 1985.

PEREZ, D. O. Os significados da história em Kant. In: Revista Philosophica, 28, Lisboa, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.